PORTO ALEGRE: Av. Borges de Medeiros, nº 328 / 5º andar

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

Por Thaís Xavier

02/03/2021

INSS não pode cancelar auxílio-doença sem avisar e marcar perícia antes

Por Thaís Xavier | 02/03/2021

Em julgamento no mês de dezembro de 2020, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o INSS não pode cancelar o benefício de auxílio-doença (também chamado “auxílio por incapacidade temporária”, desde 2019) sem avisar a pessoa beneficiária e sem marcar nova perícia antes.

Apesar de essa ser uma prática frequente e antiga do INSS, a Lei previdenciária brasileira prevê que o auxílio-doença/auxílio-incapacidade temporária só pode cessar quando a pessoa beneficiária estiver apta para voltar a trabalhar. Ou seja, o INSS, sempre que quiser reavaliar um auxílio-doença, deve comunicar a pessoa beneficiária de nova perícia médica antes, sendo ilegal a chamada “alta médica programada” quando a pessoa continuar incapaz para o trabalho e não tiver passado por nova perícia do INSS.

Assim, a pessoa beneficiária que tiver seu auxílio-doença cessado, sem comunicação prévia pelo INSS, tem direito a pleitear na Justiça todos os salários vencidos e que não tiverem sido pagos, após o corte no benefício.

Fique atento aos seus direitos.

Juntos somos muito mais fortes!

Notícias Relacionadas

Direito Previdenciário perícias

Atenção: atestado virtual substituirá perícias médicas presenciais do INSS

20/02/2024 | por Lucas Viana

Recentemente, em entrevista ao SBT, o Ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, informou que, até junho deste ano, todas as perícias médicas do INSS serão realizadas virtualmente, através da inteligência artificial do sistema Atestmed. Esta mudança acontece sobre a análise para pedidos de benefícios por incapacidade, tal como o Auxílio-Doença e, também, de Benefício de […]

Direito Previdenciário prev

Alteração na legislação permite reduzir impostos no resgate do plano de Previdência Privada

24/01/2024 | por Patrícia Peltz

Sancionada no ultimo dia 10/01 a Lei 14.803 alterou o texto da Lei 1.053/2004, que determinava que a escolha do participante pelos regimes progressivo ou regressivo de tributação deveria ser feita até o último dia útil do mês subsequente ao ingresso no plano. A nova lei abre a possibilidade do participante escolher, até o primeiro […]