PORTO ALEGRE: Av. Borges de Medeiros, nº 328 / 5º andar

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

Por Thaís Xavier

10/12/2021

O PPP e a aposentadoria: o que é preciso saber?

Por Thaís Xavier | 10/12/2021

O Perfil Profissiográfico Previdenciário, conhecido como PPP é o principal documento quando o assunto é a Aposentadoria Especial, pois pode provar toda a atividade considerada nociva que foi executada pelo trabalhador.

O PPP também é importante até mesmo para uma aposentadoria por tempo de contribuição com um tempo reduzido, já que o tempo especial é contabilizado de modo diferente que o tempo trabalhado em condições normais.

Mas então, o que eu preciso saber sobre a aposentadoria especial e sobre o PPP? Qual a relação entre eles e ao que devemos nos atentar no momento de solicitar a aposentadoria? Vamos juntos aprender um pouco mais?

O que é necessário saber sobre a aposentadoria especial?

A aposentadoria especial é aquela aposentadoria que considera as atividades nocivas à saúde , permitindo ao trabalhador se aposentar com tempo reduzido de contribuição.

Ela era a melhor hipótese de aposentadoria antes da Reforma da Previdência, pois garantia ao trabalhador o benefício no valor de 100% da média das suas contribuições, desde que comprovado o trabalho em condições insalubres, periculosas ou penosas por 15, 20 ou 25 anos, a depender do agente que ficava exposto.

Após a Reforma da Previdência, que ocorreu em 2019, o beneficio de aposentadoria especial deixou de ser 100% da média das contribuições, iniciando em 60% + 2% para cada ano de atividade nociva acima de 15 anos de contribuição para mulheres, e 20 para homens.

Além disso, atualmente para ter direito, é necessário cumprir uma idade mínima, podendo ser exigido 55, 58 ou 60 anos a depender do agente que ficou exposto.

É possível me aposentar pelas regras antigas?

Contudo, não é preciso se desesperar, pois quem já possuía o tempo necessário antes de 2019, tem o seu direito ao benefício pelas regras antigas, pelo chamado “Direito Adquirido”. Quem estava próximo de atingir o direito ao benefício, pode se valer das regras de transição.

Estas regras de transição exigem uma pontuação mínima para ter direito ao benefício, e essa pontuação é decorrente da soma do tempo de atividade nociva com a idade do trabalhador. Para ter direito, os trabalhadores devem observar a seguinte pontuação e requisitos, independentemente do sexo/gênero:

– 86 pontos = mínimo de 25 anos de tempo especial + idade;

– 76 pontos = mínimo de 20 anos de tempo especial + idade;

– 66 pontos – mínimo de 15 anos de tempo especial + idade;

O tempo especial, como já comentado, depende do agente que ficou exposto durante o trabalho.

Por fim, e não menos importante, a aposentadoria especial deixou de ser a mais vantajosa também em razão da decisão do Supremo Tribunal Federal, no chamado Tema 709. Pois nessa decisão ficou estabelecido que os trabalhadores que se aposentarem especiais, deverão, obrigatoriamente, deixar a atividade nociva.

Não fechei o tempo total de atividade nociva, há alguma vantagem no reconhecimento especial?

Sim, mesmo que não atinja o tempo ou a pontuação necessária, o tempo especial pode ser reconhecido e convertido em tempo comum para uma aposentadoria por tempo de contribuição e, atualmente, por idade.

Os períodos são convertidos aumentando 40% do tempo trabalhado para os homens e 20% para as mulheres.

No entanto, em razão da Reforma da Previdência, somente pode ser reconhecido e convertido o período especial trabalhado até novembro de 2019.

Sendo assim, ainda que não tenha atingido o direito à aposentadoria especial, poderá reconhecer os períodos e “averbar” no seu tempo de contribuição para aposentadoria por tempo de contribuição e idade, reduzindo o tempo efetivo de contribuição e trabalho para ter direito ao benefício; ou até mesmo apenas aumentando o tempo de contribuição para aumento da renda do benefício.

Como posso comprovar esse tempo especial?

A prova exigida pela legislação e pelos Tribunais para comprovação do tempo especial é o PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário.

Este documento é emitido pela própria empresa e nele ficam registrados todos os acontecimentos durante a prestação do serviço à empresa. Isto é, constam se houve emissão de CAT (quando houve acidente do trabalho); as atividades desenvolvidas; a função registrada; o setor; o código da contribuição que foi paga pela empresa; os agentes nocivos que esteve exposto, com a sua intensidade, técnica; se houve disponibilização de equipamento de proteção entre outras informações.

Esse documento deve ser entregue pela empresa quando da demissão do funcionário ou a qualquer tempo desde que solicitado.

Por ser um documento completo e resumido, o PPP é a principal prova do tempo especial. Porém, existem outros meios de comprovação, como laudos técnicos ou laudos de colegas e de empresas similares, para quando a empresa já não está mais ativa ou para quando o documento está incompleto ou insuficiente.

O que precisa constar no PPP para que ele possa ser utilizado como prova da atividade especial?

O PPP para ser usado como prova precisa indicar algumas informações importantes. Primeiro, deve conter os dados da empresa, como CNPJ e razão social, e os dados do trabalhador, tais como nome, NIT – número de identificação do trabalhador. Se houve acidente de trabalho, deverá apontar o número da CAT (comunicação de acidente do trabalho).

Após esses dados, deverá se atentar para o período de trabalho e as atividades do trabalhador, indicando exatamente o que realizava na empresa, além de setor, função. É importante observar o que foi descrito na profissiografia.

Passado esse tópico, tem a parte mais importante de todas, que é a parte dos fatores de risco. Nesta seção, deverá ser indicado o período do trabalho; o agente que ficou exposto, se era físico, químico, biológico; qual foi a intensidade ou quantidade que ficou exposto e a técnica utilizada; e se recebeu EPI – equipamento de proteção.

Preenchido corretamente até então, é indispensável a indicação do profissional que preencheu o documento, devendo ser um médico do trabalho ou engenheiro/técnico em segurança do trabalho.

Por fim, deve conter o nome, matrícula, carimbo e assinatura do representante da empresa.

Preenchidos todos estes pontos corretamente, o documento é válido e pode ser utilizado para comprovação do tempo especial.

Não sendo preenchido corretamente, é possível pedir a retificação do documento ou levar o caso para a justiça para reconhecimento por outros meios de prova.

Quando e como devo verificar o meu PPP?

O ideal é observar e conferir o PPP no momento em que a empresa lhe entrega – na demissão -, pois ali há chances de debates com o setor de recursos humanos, podendo ser corrigido na hora, já que as condições do labor continuam as mesmas.

Muitas vezes as pessoas deixam para analisar e até mesmo solicitar na hora da aposentadoria, porém neste momento a empresa pode já estar inativa e/ou o documento não será realizado observando as mesmas condições do ambiente de trabalho, o que pode vir a se tornar um grande problema no momento da comprovação do tempo especial.

Já a melhor forma de avaliação, se você não tem condições e conhecimento de avaliar por si mesmo na hora da entrega do documento, é procurar um advogado de sua confiança e de preferência especialista em direito previdenciário, para que ele possa lhe orientar sobre a necessidade de tomar alguma medida.

Lembramos nesse ponto que mesmo sem o tempo necessário, desde logo é possível averbar o período especial, devendo para tanto realizar a solicitação no INSS e, geralmente, na justiça. Uma vez averbado, não há como modificar o seu direito, mesmo que sua aposentadoria seja concedida anos depois.

Os seus direitos são muito importantes e devem ser respeitados. Caso precise, busque apoio de um profissional especialista de sua confiança e faça valer os seus direitos.

equipe do Forbrig Advogados está disponível para te apoiar. Clique aqui e converse conosco.

Não fique com dúvidas, defenda sempre os seus direitos!

Notícias Relacionadas

Direito Previdenciário perícias

Atenção: atestado virtual substituirá perícias médicas presenciais do INSS

20/02/2024 | por Lucas Viana

Recentemente, em entrevista ao SBT, o Ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, informou que, até junho deste ano, todas as perícias médicas do INSS serão realizadas virtualmente, através da inteligência artificial do sistema Atestmed. Esta mudança acontece sobre a análise para pedidos de benefícios por incapacidade, tal como o Auxílio-Doença e, também, de Benefício de […]

Direito Previdenciário prev

Alteração na legislação permite reduzir impostos no resgate do plano de Previdência Privada

24/01/2024 | por Patrícia Peltz

Sancionada no ultimo dia 10/01 a Lei 14.803 alterou o texto da Lei 1.053/2004, que determinava que a escolha do participante pelos regimes progressivo ou regressivo de tributação deveria ser feita até o último dia útil do mês subsequente ao ingresso no plano. A nova lei abre a possibilidade do participante escolher, até o primeiro […]