PORTO ALEGRE: Av. Borges de Medeiros, nº 328 / 5º andar

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

Por Lucas Viana

20/06/2023

União homoafetiva e suas implicações previdenciárias

Por Lucas Viana | 20/06/2023

Há doze anos, em 5 de maio de 2011, o Supremo Tribunal Federal julgou, conjuntamente, a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) nº 4.277 e a ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) nº 132. Com isso, instrumentalizou-se, no Brasil, o reconhecimento jurídico da união estável de casais do mesmo sexo. Com efeito, as referidas ações discorriam, respectivamente, sobre ao cabimento da união estável homossexual como entidade familiar, e acerca da violação ao direito constitucional à igualdade, à liberdade e à dignidade da pessoa humana.

A primeira, ADI 4.277, fora proposta pela Procuradoria Geral da República, bem como, a segunda, fora interposta pelo Governador do Estado do Rio de Janeiro. Aliás, quanto à esta, a discussão originou-se de uma lei estadual, qual seja a Lei nº 5.034/2007, que previa a extensão, para fins previdenciários, da condição de companheiro/companheira aos servidores públicos insertos em um relacionamento homoafetivo.

Na apreciação das demandas, decidiram, de forma unânime, os Ministros do STF, que o art. 1.723, do Código Civil Brasileiro, deveria ser interpretado conforme o regramento da Constituição Federal de 1988. Tal dispositivo de lei preceituava que “É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família”.

Ou seja, no julgamento, os Ministros decidiram refundar o conceito de entidade familiar, para afastar qualquer discriminação odiosa presente na redação legal. Dessa forma, o grupo familiar deixou de ser, apenas, composto por um homem e uma mulher, para o fim de se tornar um meio plurissignificado de variadas possibilidades de composição.


No voto condutor, o Ministro Ayres Britto ressaltou que a Constituição da República estabelece, em seu art. 3º, a igualdade entre os indivíduos, independentemente, inclusive, do sexo e das situações de gênero. Nesse sentido, destacou que não se poderia manter interpretação jurídica alguma do do Código Civil, que perpetuasse a desigualdade entre as pessoas.

Não obstante, a Corte, de maneira geral, destacou a importância da temática e como o julgamento afetaria o cotidiano das famílias brasileiras. Nesse cenário, a Ministra Ellen Gracie referiu que a análise dos casos “restitui o respeito que merecem, reconhece seus direitos, restaura a sua dignidade, afirma a sua identidade e restaura a sua liberdade”.


Passados mais de dez anos, o Brasil vive, hoje, uma realidade multifacetada no Direito das Famílias. Nesse contexto, especialmente, porque junho é o mês do Orgulho LGBTQIA+, faz-se presente o questionamento sobre quais os reflexos dessa situação nas demais áreas do direito, tais como, a previdenciária.
Em âmbito previdenciário, é comum se ouvir falar, por exemplo, da interação entre união estável e direito à pensão por morte. Isso porque as flexibilizações entre as regras do casamento e da união estável são recente e passam, rotineiramente, por atualizações, bem assim, não possuem redação legislativa expressa.

Nesse sentido, importa mencionar que o companheiro (aquele que vive em união estável) tem direito ao benefício da pensão por morte, desde que atenda aos seguintes requisitos: comprovação do óbito do segurado, demonstração da qualidade de segurado (do instituidor do beneplácito) na época do óbito e, também, da qualidade de dependente (do requerente à pensão).


Em regra, diz-se que a dependência econômica do cônjuge (aquele que vive em matrimônio oficializado), do companheiro e do filho deve ser presumida, haja vista a proximidade com o falecido. Mesmo assim, deve-se atentar ao período em que essas relações são estabelecidas, especialmente, a de união estável. Isto é, o relacionamento deve ser pré-existente ao momento do evento morte.

Com efeito, os companheiros homoafetivos, em razão das decisões pioneiras do STF, têm, atualmente, direito à titularidade da pensão por morte. Além disso, se preenchidas as exigências legais, e havendo necessidade, existe, também, o direito ao perfazimento de auxílio-reclusão e aos demais efeitos previdenciários.

Aliás, pode-se dizer que, diante da realidade jurídica contemporânea, os grupos familiares homoafetivos possuem, exatamente, os mesmos direitos e deveres que os heterossexuais, pois a Constituição Federal proíbe qualquer discriminação. Em resumo, para a ordem constitucional vigente, o que importa é o vínculo afetivo entre as pessoas, consubstanciado ou não pela genética. Desse modo, os casais, sejam esses heterossexuais, homossexuais ou não-binários, têm direito à composição familiar e a todas as implicações jurídicas decorrentes disso.

Você ficou com dúvidas sobre o tema ou precisa de apoio em outras questões do Direito? Entre em contato conosco, nossa equipe está disponível para lhe ajudar. Clique aqui e converse conosco.

Notícias Relacionadas

Direito Previdenciário perícias

Atenção: atestado virtual substituirá perícias médicas presenciais do INSS

20/02/2024 | por Lucas Viana

Recentemente, em entrevista ao SBT, o Ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, informou que, até junho deste ano, todas as perícias médicas do INSS serão realizadas virtualmente, através da inteligência artificial do sistema Atestmed. Esta mudança acontece sobre a análise para pedidos de benefícios por incapacidade, tal como o Auxílio-Doença e, também, de Benefício de […]

Direito Previdenciário prev

Alteração na legislação permite reduzir impostos no resgate do plano de Previdência Privada

24/01/2024 | por Patrícia Peltz

Sancionada no ultimo dia 10/01 a Lei 14.803 alterou o texto da Lei 1.053/2004, que determinava que a escolha do participante pelos regimes progressivo ou regressivo de tributação deveria ser feita até o último dia útil do mês subsequente ao ingresso no plano. A nova lei abre a possibilidade do participante escolher, até o primeiro […]